Tracionando Honda-WR-V-2018-27-750x500 Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil *Destaque Brasil Crossovers Mercado SUVs  WR-V SW4 preços HR-V equipamentos Duster Compass
Honda WR-V tem um dos piores custo-benefício entre crossovers e SUVs

Que praticamente todos os carros oferecidos no mercado brasileiro têm preços absurdos, isso todo mundo já sabe. Porém, algumas fabricantes vão além com parte de seus veículos. No segmento de crossovers e SUVs, por exemplo; há uma série de modelos que abusam dos preços cobrados, sobretudo nas versões mais caras da linha.

Listamos abaixo os cinco crossovers e SUVs com os piores custo-benefício do Brasil. Ah, antes de tudo é importante ressaltar que fizemos esta seleção considerando o preço final; equipamentos; motorização e um breve comparativo com os concorrentes. Consideramos ainda apenas modelos de marcas tradicionais com preços numa faixa de até R$ 250 mil. Confira:

Honda WR-V EXL 1.5 CVT – R$ 83.400

Tracionando Honda-WR-V-2018-34-750x500 Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil *Destaque Brasil Crossovers Mercado SUVs  WR-V SW4 preços HR-V equipamentos Duster Compass
Honda WR-V 2018

A Honda chama o novo WR-V de crossover. Porém, na verdade ele é uma versão “de salto alto” do Fit; embora tenha recebido algumas mudanças mecânicas para se tornar um carro mais robusto. Além disso, ele é caro demais! A marca japonesa perde R$ 83,4 mil pela versão topo de linha do WR-V, que não traz sequer controles de estabilidade e tração. Por este preço dá para levar para a casa versões intermediárias do Ford EcoSport; Nissan Kicks e Hyundai Creta, por exemplo. Por causa disso, o WR-V figura como um dos SUVs com piores custo-benefício do Brasil.

De série, ele conta com airbags frontais, laterais e de cortina; sistema multimídia com acesso à internet e navegador GPS; ar-condicionado manual; volante com ajuste de altura e de profundidade; banco do motorista regulável em altura; piloto automático; bancos traseiros reclináveis e bipartido; luzes diurnas em LED; câmera de ré; rodas de liga-leve aro 16, entre outros.

O motor é o mesmo do Fit e do City, um 1.5 flex de até 116 cv e 15,3 kgfm; atrelado ao câmbio automático do tipo CVT.

Renault Duster Dakar II 2.0 MT 4×4 – R$ 88.890

Tracionando Renault-Duster-Dakar-II-2018-5-750x500 Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil *Destaque Brasil Crossovers Mercado SUVs  WR-V SW4 preços HR-V equipamentos Duster Compass
Renault Duster Dakar II 2018

É fato que o Renault Duster não tem fôlego suficiente para enfrentar a nova leva de crossovers compactos. Tanto é que a marca já oferece por aqui o Captur, que é mais moderno e equipado. Ainda assim, o Duster segue sendo oferecido em diversas versões e com preços bastante altos nas configurações mais equipadas.

O abuso da vez fica por conta da série especial Dakar II, que usa um motor 2.0 litros flex de 148 cv e 20,9 kgfm; com transmissão manual de seis marchas e tração 4×4. Nos itens de série, há faróis de neblina; luzes diurnas; airbag duplo; freios ABS; ar-condicionado; volante e banco do motorista com ajuste de altura; direção eletro-hidráulica; piloto automático; computador de bordo; câmera de ré; sistema multimídia Media NAV Evolution e comandos de áudio e celular na coluna de direção.

Ou seja, a Renault oferece um Duster Dakar II de quase R$ 90 mil sem dispor sequer de airbags laterais e de cortina; controles de estabilidade e tração; bancos revestidos em couro, entre diversos outros itens. Além disso, o Duster tem um projeto que data de 2010 e já aguarda a sua segunda geração no Brasil; que inclusive já foi apresentada lá fora.

Honda HR-V Touring 1.8 CVT – R$ 107.900

Tracionando Honda-HR-V-Touring-2018-3-750x500 Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil *Destaque Brasil Crossovers Mercado SUVs  WR-V SW4 preços HR-V equipamentos Duster Compass
Honda HR-V Touring 2018

Uma das mais recentes novidades da linha do Honda HR-V é a versão topo Touring. O modelo mais caro da gama do crossover mais vendido no País se destaca pela ampla lista de itens de série. Entretanto, não justifica o preço de quase R$ 108 mil; um dos mais altos entre os utilitários-esportivos compactos com motorização flex. Trata-se de um dos SUVs com piores custo-benefício do Brasil.

Ele oferece seis airbags; controles de estabilidade e tração; assistente de partida em rampas; freio a disco nas quatro rodas; acabamento interno em couro; volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade; ar-condicionado digital; sistema multimídia com navegador GPS; piloto automático; retrovisor interno fotocrômico; retrovisores externos com rebatimento elétrico; sensores de luz e chuva; câmera de ré; lanternas em LED, entre outros.

Porém, esta lista fica devendo recursos como chave keyless; partida por botão; ar-condicionado de duas zonas e uma simples central multimídia com recursos a mais, como Android Auto e Apple CarPlay. Seria bem-vindo ainda o motor 1.5 turbo do Civic Touring – o HR-V Touring usa o mesmo motor 1.8 flex de 140 cv e 17,4 kgfm, com câmbio CVT que simula marchas virtuais por paddle shifts.

Jeep Compass Trailhawk 2.0 diesel AT 4×4 + opcionais – R$ 198.950

Tracionando Jeep-Compass-2017-39-750x500 Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil *Destaque Brasil Crossovers Mercado SUVs  WR-V SW4 preços HR-V equipamentos Duster Compass
Jeep Compass Trailhawk 2017

Ok, o Jeep Compass na versão Trailhawk com os pacotes opcionais se posiciona como um dos mais equipados da categoria. Mas, ainda assim, não justifica a cifra exorbitante de quase R$ 200 mil (podendo chegar a este valor com pintura perolizada, ou mais precisamente R$ 201.040). O modelo pode ser uma boa opção para quem busca um utilitário-esportivo com motor a diesel e tração nas quatro rodas. Porém, caso o contrário, é melhor olhar para modelos rivais, como o Chevrolet Equinox e o Peugeot 3008; que têm preços mais “justos”.

Por outro lado, o Compass Trailhawk oferece uma boa dose de equipamentos. O Pack High Tech, que custa R$ 14.550; inclui piloto automático adaptativo; aviso de mudança de faixa; farol alto automático; aviso de colisão frontal; tampa do porta-malas com abertura elétrica; banco do motorista com regulagem elétrica; sistema de som Beats de 506 W; partida remota do motor e assistente de estacionamento (Park Assist). Há ainda o teto solar panorâmico Command View, por R$ 7.760 a mais.

O motor é um 2.0 litros turbodiesel de quatro cilindros, capaz de gerar 170 cv e 35,7 kgfm; atrelado a um câmbio automático de nove marchas e tração nas quatro rodas.

Toyota SW4 SRX 2.8 diesel AT 4×4 – R$ 252.790

Tracionando Toyota-SW4-SRX-750x500 Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil *Destaque Brasil Crossovers Mercado SUVs  WR-V SW4 preços HR-V equipamentos Duster Compass
Toyota SW4 SRX

Outro SUV a diesel que tem um custo-benefício ruim é o Toyota SW4 na versão topo de linha SRX com motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 45,9 kgfm; com transmissão automática de seis marchas e tração 4×4. A Toyota pede quase R$ 253 mil pelo utilitário-esportivo – tal cifra é superior ao do rival Chevrolet Trailblazer LTZ 2.8 diesel em expressivos R$ 46,8 mil.

Entre os itens de série, o SUV da Toyota dispõe de faróis e lanternas em LED; computador de bordo com tela TFT de 4,2 polegadas; chave keyless e partida por botão; tampa do porta-malas com abetura elétrica; ar-condicionado digital com saídas de ar independente nos bancos traseiro; banco do motorista com ajustes elétricos; sistema multimídia com GPS, TV digital e DVD player; sete airbags; câmera de ré; retrovisor interno eletrocrômico; controles de estabilidade e tração; assistente de descida, subida e reboque; Isofix; sete lugares; sensores de estacionamento, entre outros.

Acompanhe o Tracionando também no Facebook, no Twitter e no Instagram!

Os cinco SUVs com piores custo-benefício do Brasil